Home

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Juventude Perdida



O que vemos no cenário musical que atingiu a juventude na década de 90 e vem persistindo até hoje é, indubitavelmente, deplorável. Despencou miseravelmente o conceito de arte e a criatividade tornou-se cativa da mídia; o grotesco tornou-se bacana e o erotismo foi confundido com vulgaridade; o crítico foi substituído pelo fácil e o inteligente, pelo questionável belo. Olhando para aforma como se prostram os jovens em relação aos valores sociais, quem poderia ir contra quem diz que essa juventude está perdida?
Pois bem, como membra honorária de tal entidade, aposto as minhas fichas no não: a juventude não está perdida.
Perder:Deixar de ter alguma coisa útil, proveitosa ou necessária, que se possuía, por culpa ou descuido do possuidor, ou por contingência ou desgraça”, segundo o dicionário Priberam. Neste caso, o estrago do que há de melhor e valoroso no ser humano.
Vamos às virtudes da juventude: vivacidade, revolta, inteligência e uma criatividade impressionante. Nada disso foi perdido. Ainda vemos numa simples conversa a capacidade de inovação que pode vir de uma mente com a facilidade tão natural que isso é pouco aproveitado.
Eis o problema dessa geração: ela foi pouco ou mal aproveitada. E o pior – não aproveita de si mesma.
Considero tênue a linha que separa o que é bom, e o que é ruim: os pontos de vista entram em choque a todo tempo. Por isso, por “bem” eu me refiro aos valores sociais. Antigamente, não se viam músicas que tratassem tão abertamente de temas sexuais, sem censura e pudor. Isso pode ser considerado, sim, uma revolução, afinal, o mundo muda e a sexualidade está cada vez mais aberta como tema. Tais músicas estão aí para mostrar isso, para explodir a virilidade juvenil, para tomar conta do mundo, como um grito!...
Um grito desafinado que torna a mulher um objeto, que sufoca a revolução da década de 1920. Onde estão as mulheres que queimaram os sutiãs alguns anos atrás, afinal? Enquanto membra honorária de tal entidade, eu digo: estamos sufocando a liberdade que levamos milênios para conquistar!
Um grito desarmônico onde não se tem nada a dizer, nada a contar, nada a conquistar além de uma noite de satisfação... e depois? O que você quer ser? O que queremos que seja nosso país, o que queremos que seja nossa sociedade, o que queremos que seja nossa vida: uma noite de aventuras? Então as vidas são jogadas fora com doenças e responsabilidades precoces e por quê?
O gritoda juventude do início do século XXI não é um grito que vale a pena.
Ainda assim, repito: a juventude não está perdida.
A juventude está distraída.
Como membra honorária de tal entidade, eu clamo aos meus colegas de causa: percamo-nos! Percamo-nos da mídia que molda e vende personalidade a quem não tem. Percamo-nos do governo, que controla a massa calada e voluntariosa! Percamo-nos do pré-conceito e da banalização da pessoa humana; dos padrões que são seguidos a risca e que degradam lenta e implicitamente a individualidade e a beleza de cada um; da decadência do que antes foi arte. Nossos olhos estão sendo fechados por imagens multicoloridas.
Que se faça, de fato, uma juventude perdida.


Sobre a Autora:
Érica Prado Érica Prado tem 16 anos, pretende cursar história, ouve metal e reclamações o tempo todo. Gosta de coisas fáceis tipo miojo e, portanto, não gosta da vida. Não, você não pode simplesmente gostar dos dois.
facebook
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

blog de Adelania disse...

É realmente imperdoavel o controle da mídia, a vulgarização da arte em geral. Cadê a beleza das poesias nas musicas, não existem mais. Os jovens nao se entregam a musicas onde deixa bem claro que temos que FAZER e nao ESPERAR. O maior problema é que nao se sabem o que DEVEM fazer, pois em vez de "vem vamos embora, que esperar nao é saber, quem sabe faz a hora, nao espera acontecer...", tem hoje as letras que nao meressem serem sitadas, pois decadem a moral, a mulher e a paz.
Vamos jovens, mostrem superioridade e nao vulgaridade, mostrem orgenização e nao baderna, A JUVENTUDE NAO PODE ESTAR PERDIDA, AGUNS APENAS NAO ACHARAM O CAMINHO.

Érica Prado disse...

Perfeitas palavras. Obrigada! *-*

Herica Black disse...

Falou muito com um pequeno texto e falou bonito!
Não posso deixar de concordar com a critica. Então vamos nos perder! =)